EM CENA  1990 I 1999

1990 Ano da fundação do Grupo de Teatro Tapa Furos na Escola Secundária Leal da Câmara, em Rio de Mouro. Espetáculo Inaugural Entra Mudo e Sai Calado

Montagem de Saudades do Paraíso de Yvette Centeno.
 

1991 Montagem do espetáculo Silêncio Estamos no Ar!, a partir do poema de Jaques Prèvert, sobre a vida e obra de Galileu. Ainda em 91 montagem de O Grito do Índio, a partir de um texto escrito pelo último Chefe Sioux ao Grande Chefe Branco, com encenação de Catarina Beja.

 

1992 Montagem de Habutuneiromatópobia, criação coletiva orientada por António Miguel, da Companhia de Teatro de Sintra. Espetáculo de cariz experimental apresentado na 1ª Mostra de Teatro das Escolas do Concelho de Sintra, tendo sido consagrado vencedor. 

Montagem de O Encantado do Nevoeiro de José Dias de Sousa, encenação de Catarina Beja. Teatro Infantil para Escolas apresentado no 4º Festival de Teatro Amador do Concelho de Sintra, certame no qual foi granjeado com o prémio de Melhor Encenação.​

1993 Montagem de Eu, Tu, Eles, Nós, Vós, Eles, de Sérgio Godinho, encenação de Catarina Beja. Primeiro espetáculo com o grupo já independente e em fase de legalização, foi apresentado ao público em geral e também inserido no 5º Festival de Teatro Amador do Concelho de Sintra, onde ganhou o prémio de Melhor Espectáculo Infantil.

1994 Montagem de Amor de D. Perlimplim com Belisa em seu jardimDiálogo de Amargo, de Federico García Lorca, encenação de Rui Mário.

1995 Re-montagem de Amor de D. Perlimplim com Belisa em seu jardim e Diálogo de Amargo, de Federico García Lorca, encenação de Rui Mário, também apresentado no 6º Festival de Teatro Amador do Concelho de Sintra, onde seria distinguido com os prémios de Melhor Encenação e Melhor Cenografia.

Exposição fotográfica e do acervo pertencente ao grupo, apresentação do espetáculo de García Lorca e animações de rua a partir de três textos de Yvette Centeno, A Porta, O Poeta e A Árvore da Vida.

 

1996 Montagem de Cinco Estórias Bem Contadas, a partir de cinco textos de Yvette Centeno (A Porta, o Poeta, O Ídolo, A Baleia e A Árvore da Vida), encenação de Rui Mário. Apresentado ao júri do 7º Festival de Teatro Amador do Concelho de Sintra, júri que distinguiu o referido espetáculo com os prémios de Melhor Encenação e Melhor Actor Secundário. O espetáculo foi apresentado em diversas atividades culturais concelhias – Feira do Livro, Aniversário da Galeria Municipal de Rio de Mouro – e fora do concelho no Instituto Superior Técnico, Instituto Superior de Agronomia e no interior do país, num evento denominado Tramagal Cultura.

Integrados numa iniciativa denominada Noites de Verão (da responsabilidade da Câmara Municipal de Sintra) o Teatro Tapa Furos animou Jardim Salgueiro Maia, em Massamá.

1997 Montagem do espetáculo Borges e os Incendiários (Biederman e os Incendiários) de Max Frisch, encenação de Rui Mário. Apresentação no 8º Festival de Teatro Amador do Concelho de Sintra. Foram atribuídos os seguintes prémios: Melhor Espetáculo, Melhor Encenação, Melhor Ator Secundário, Melhor Cenografia, Melhor Figurino e Menção Honrosa para a seleção fotográfica.

Montagem de Assembleia ou Partida, de Correia Garção, uma Co-produção entre o Teatro Tapa Furos e o Teatroesfera. 

Animações de rua com o espetáculo de criação coletiva Aventura Suburbana em diversos mercados municipais de Sintra. Montagem e apresentação de A Bicharada, que sim e mais que também, a partir de Os Bichos de Miguel Torga, encenação de Mário Trigo. 

O Veado Florido a partir do conto homónimo de António Torrado, encenação de Rui Mário. Em Dezembro estreou no espaço gentilmente cedido pela Companhia de Teatro de Sintra.

 

1998 Re-montagem de O Veado Florido, representado no 9º Festival de Teatro Amador do Concelho de Sintra, consagrado com os prémios de Melhor Espetáculo Infanto-Juvenil, Melhor Ator Principal, Melhor Atriz Secundária, Melhor Sonoplastia e Melhor Cenografia.

Montagem de A História do Corvo de Ténis, uma adaptação do álbum de B.D. homónimo de Fred, encenação de Rui Mário. Ainda este ano Cidade Sem Sono, encenado por Rui Mário, a partir de textos de Federico García Lorca.

Construção de um espetáculo comemorativo do 50º aniversário da Declaração dos Direitos do Homem, intitulado As Aventuras do Homem das Barbas, com encenação de Rui Mário, a partir do conto homónimo de António Torrado.

 

1999 Estreia Fim de Partida, uma peça de Samuel Beckett, encenado por Rui Mário. Apresentada no 10º Festival de Teatro Amador do Concelho de Sintra, onde foi galardoada com os seguintes prémios: Melhor Espetáculo Dramático, Melhor Encenação, Melhor Representação Coletiva, Melhor Música Original (Pedro Hilário), Melhor Desenho de Luz (Mário Trigo, Sérgio Santos), Melhor Cenografia e Melhor Figurino (Carlos Coxo, Sandra Canelas), Melhor Sonosplastia (Laura Scheidecker), Melhor Luminotécnia (José Miguel Antunes), Melhor Grafismo (Pedro Alves), Melhor Produção (Rui Mário, Laura Scheidecker, Marco Martin).

Estreado em 27 de Novembro, Estória da Gaivota e do Gato que a ensinou a Voar, encenada por Rui Mário, é uma peça para a infância e juventude baseada no livro de Luis Sepúlveda.​

Estreia em Julho, Um Corvo de Ténis Na Rua, encenado por Rui Mário, é uma re-montagem, para a rua do espetáculo baseado no álbum de BD de Fred. O espetáculo foi apresentado ainda no Festival Farpa 99, em Pombal de Ansiães.